segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Temos muito o que aprender...

"É um golpe na oligarquia", dizia o partidário chavista, ainda com um largo sorriso, ao repórter da rede de tv brasileira.
Pois bem. Não bastasse a recente aprovação da nova constituição boliviana - fato emblemático na contraposição ao livre direito à propriedade privada [instituição burguesa praticamente intocável em quase todo o mundo, desde a revolução francesa] - no último domingo (15/02) Hugo Cháves deu mais um passo para a consolidação de um estado venezuelano que se pretende socialista.
E, maiores juízos à parte, Cháves e Evo Morales tem demonstrado grande talento no que diz respeito à articulação política para a concretização de seus projetos populares. Afinal, não se pode esquecer que as conquistas dos dois chefes de estado vem se fortalecendo através do voto.
Mas, me chamou atenção o uso da palavra "oligarquia" na sentença do venezuelano entrevistado.
E me pus a pensar: quantos brasileiros circunscritos nas camadas populares sabem o que configura esse regime de governo? Indo além, quantos se atreveriam a utilizar o termo numa declaração à imprensa?
Não que eu esteja propondo uma abordagem preconceituosa, entretanto, ser honesto é necessário. Dado o nível de alienação e ignorância em que se encontram as pessoas em nosso país vejo-me tentado a supor que as quantidades seriam bastante diminutas.
Ao contrário do que ocorre nas duas nações vizinhas, os brasileiros são marcados, de forma majoritária, pela apatia política e por posicionamentos conservadores, tradicionalistas. Esse tipo de conduta demonstra uma imaturidade enormemente danosa para os próprios cidadãos e que coloca o país numa espécie de retrocesso.
Se o futuro de venezuelanos e bolivianos é promissor ou frustrante como se há de saber? Certo mesmo é que, em matéria de coragem, mobilização e esperança, temos muito a aprender com nossos vizinhos... Ou continuaremos ad aeternum sendo escravos de oligarcas ou plutocratas, falsos democratas, demônios tiranos como sempre houve nesse nosso destino torto.

5 comenta aí, amizade!:

Susanna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Susanna disse...

Sem problematizações conceituais, antes recorrendo ao dicionário - atitude que não figura dentre os hábitos preferidos da nossa galera "brasiliense" -, bora nós:

Oligarquia:
_Governo de poucas pessoas, pertencentes ao mesmo partido, classe ou família;

Plutocracia:
_Dominação da classe capitalista, detentora dos meios de produção, circulação e distribuição de riquezas, sobre a massa proletária, mediante um sistema político e jurídico que assegura àquela classe o controle social e econômico;

Democracia:
_Doutrina ou regime político baseado nos princípios da soberania popular e da distribuição eqüitativa do poder, ou seja, regime de governo que se caracteriza, em essência, pela liberdade do ato eleitoral, pela divisão dos poderes e pelo controle da autoridade;

Falsidade:
_Mentira, calúnia, fingimento, hipocrisia;

Demônio:
_Nas crenças da Antigüidade e no politeísmo, gênio inspirador, bom ou mau, que presidia o caráter e o destino de cada indivíduo; alma, espírito;
_Nas religiões judaica e cristã, anjo mau que, tendo-se rebelado contra Deus, foi precipitado no Inferno e procura a perdição da humanidade; gênio ou representação do mal; espírito maligno, espírito das trevas; Lúcifer, Satanás, Satã, Diabo;

Destino
_Sucessão de fatos que podem ou não ocorrer, e que constituem a vida do homem, considerados como resultantes de causas independentes de sua vontade; sorte, fado, fortuna.

Torto:
_Que não é reto, direito; sinuoso, torcido, tortuoso.

Tudo isso pra dizer que o texto está maravilhosamente escrito, marido! É de ler tomando chá com torradas [só pra te matar do coração!! rsrs [souburguesamesmo] ]

Beijos!

Fabiano Barreto disse...

Bicho,

absolutamente absolutamente!

À propósito, isso não é um comentário; é um fichamento [e dos bons, muito bons].

Praticamente um resumo d'A política, de aristóteles!

Brigadaço, neguinha!

Mesmo sendo uma burguesinha sem vergonha, você é genial!

Guilherme ABACAXI disse...

"Mesmo sendo uma burguesinha sem vergonha, você é genial!"


ahhhhhhhhhhhhhhhhh
A-DO-RO !!!

Abração.

Fabiano Barreto disse...

Mas, não é verdade?